SIMPÓSIOS TEMÁTICOS DA XII SEMHIPI


ST 01 - HISTÓRIA, LINGUAGENS E SUBJETIVIDADES.

Coordenadores

Prof. Dr. Fábio Leonardo Castelo Branco Brito - UFPI/CMPP

Prof. Me. Heitor Matos da Silva - UFPI/CSHNB

Resumo

Inserido nos debates estabelecidos no âmbito do GT "História, Cultura e Subjetividades" (DGP/CNPq) e do GT Nacional de História Cultural (ANPUH), o simpósio temático tem por objetivo congregar trabalhos que se ambientem na região de fronteiras que articula a história com os domínios da linguagem e das subjetividades. Pensando o campo da história como sendo amplo e potencializado pela demarcação de novas fontes e metodologias, compreende-se como parte dessas discussões tanto a possibilidade de uso de suportes empíricos tais como literatura, cinema, música, fanzines, instalações de artes plásticas, imprensa alternativa, mídias digitais e histórias em quadrinhos quanto também pelo olhar pautado nas subjetividades a respeito de temas que transbordem tais fontes, contemplando questões relativas a corpo, política, memória e cidades. Para tanto, o simpósio pretende estabelecer possibilidades de realização de uma escrita bailarina da história, capitalizando para esse campo de discussão, também, diálogos com outros saberes, a exemplo da linguística, da teoria literária e da filosofia da diferença.


ST 02 - ECONOMIA, POLÍTICA E SOCIEDADE NO NORDESTE OITOCENTISTA.

Coordenadores

Prof. Dr. Francisco Gleison da Costa Monteiro - UFPI/CSHNB

Prof. Me. José Lins Duarte - UFPI/CSHNB

Resumo

O Simpósio Temático busca agregar e socializar discussões relativas aos problemas inerentes a perspectiva da História no século XIX, tais como, os debates em torno dos ciclos de economia, das vivências da sociedade rural e urbana e das conformações políticas. Destacando, aspectos que envolvem áreas temáticas ligadas a fatores econômicos, movimentos sociais, mundos do trabalho e o progresso científico e tecnológico, dentre outras alternâncias de produção e de relações que o Nordeste enfrentou no curso de formação do seu espaço físico e social.


ST 03 - ENSINO DE HISTÓRIA INDÍGENA E DIVERSIDADE CULTURAL NA NOVA BNCC: OS (PRE)CONCEITOS ETNICOS-RACIAIS E OS DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INDÍGENA EM TEMPOS ATUAIS

Coordenador

Prof. Me. José de Jesus Redusino - UFPI/SEDUC-PI/SEMEC-Teresina

Resumo

Nas últimas décadas desde a CF-88, a educação escolar indígena avançou sobretudo nos direitos culturais destes povos, sustentando o direito à diferença e à manutenção dela. Na história dos povos indígenas, durante séculos, tentou-se uniformizar a educação a partir de currículos impostos, que visavam tirar o índio da condição de índio nativo, herdeiro de uma cultura específica e singular, tornando-o "refém" de uma cultura ocidentalizada a critérios de interesses políticos e até mesmo econômicos."A educação escolar foi usada em vários momentos pelo Estado contra os povos indígenas", conta a antropóloga e indígena Kaingang Joziléia Jagso. Também criticada pela forma rígida com que foi imposta, a Base Nacional Comum Curricular é vista como um entrave para a construção de um paradigma educacional próprio às escolas indígenas. Construída sem a participação das comunidades escolares, a nova BNCC não reflete seus anseios não contempla propostas curriculares em que coloque as comunidades indígenas como protagonistas de seus próprios interesses alinhados à sua diversidade cultural . O ST pretende discutir os desafios impostos às comunidades indígenas diante do cenário das políticas devastadoras do atual governo, contribuindo para uma reflexão e ações que visem dentro do contexto educacional a determinação de que o Estado deve garantir aos índios não apenas o direito à terra, mas também à manifestação e preservação de suas organizações sociais, costumes, línguas, crenças e tradições, garantindo aos mesmos o direito a uma educação multicultural, específica para cada grupo indígena, autodeterminada, intercultural e bilíngue.


ST 04 - HISTÓRIA ANTIGA E MEDIEVAL: PERCURSOS HISTORIOGRÁFICOS.

Coordenador

Prof. Dr. José Petrúcio de Farias Júnior - UFPI/CSHNB

Resumo

Dar visibilidade às investigações acadêmicas da Universidade Federal do Piauí nas seguintes áreas: História Antiga e Medieval, com ênfase ao estudo das identidades religiosas e relações de gênero na Antiguidade e no Medievo bem como culturas, fronteiras e representações na Antiguidade e no Medievo. Ao contrário de pensar o ensino de História Antiga e Medieval por meio de uma versão única ou 'neutra' do passado, consideramos importante a apresentação de uma Antiguidade construída pela historiografia, antes que uma História dada, acabada, a ser decorada pelo aluno, posicionamento que nos conduz à reflexão sobre os usos do passado. Isso posto, destacamos o relacionamento entre a Antiguidade e o mundo contemporâneo em que vivemos por conceber que a própria narrativa histórica antiga e medieval nos remete a acontecimentos significativos para a invenção da sociedade contemporânea.


ST 05 - GÊNERO, MEMÓRIA E SUBJETIVIDADES.

Coordenadoras

Profa. Dra. Olívia Candeia Lima Rocha - UFPI/CSHNB

Profa. Ma. Rannyelle Rocha Teixeira - UFPI/PARFOR

Resumo

As transformações na sociedade brasileira e as novas problematizações, metodologias e fontes de pesquisa resultaram em uma renovação do campo historiográfico e na emergência de novos objetos de estudo. Dentre as novas abordagens historiográficas, destacam-se os estudos relacionados à História das Mulheres, ao Gênero e à Sexualidade. Essas pesquisas contemplam diferentes períodos históricos, mas também, o protagonismo feminino na conquista de novos lugares sociais para as mulheres, na contemporaneidade. Verifica-se também o questionamento da divisão sexual do trabalho e dos espaços e atividades considerados femininos e masculinos na família e na sociedade. Nesse sentido, os lugares sociais atribuídos ao masculino e a masculinidade também são compreendidos como elaborações culturais. Enfatiza-se ainda, que o processo de transformações sociais e culturais tem implicações na elaboração de subjetividades, tendo em vista que os indivíduos são portadores de desejo, e que são capazes de exercer um papel ativo na produção de si mesmos e da imagem que desejam transmitir aos outros. Ressalta-se que a memória e a metodologia da História Oral contribuíram significativamente para a realização desses estudos, por permitirem enfocar elementos da experiência subjetiva dos depoentes. Além disso, a partir da produção de depoimentos é possível realizar narrativas historiográficas que propiciam a escuta de sujeitos históricos que ocupam lugares diversos na sociedade. A proposta desse Simpósio Temático é congregar estudos que contemplem a discussão de gênero, que se relaciona à noção de uma construção social e cultural que atravessa os mais variados âmbitos da vida social, perpassando, a corpo, os papéis e lugares sociais atribuídos aos indivíduos, a sexualidade e o protagonismo na sociedade contemporânea.


ST 06 - HISTÓRIA, CIDADES E SUBJETIVIDADES.

Coordenadores

Prof. Dr. Raimundo Nonato Lima dos Santos - UFPI/CSHNB

Profa. Camila Carvalho Moura Fé - UFPI/PPGHB

Resumo

O simpósio visa a socialização de pesquisas que tomam a cidade como objeto de estudo e reflexão. Nessa perspectiva, a cidade não é vista apenas como palco de eventos históricos, ela também se faz protagonista de ações, uma vez que o elemento síntese que a constitui é a aglomeração humana. Neste agrupamento humano, as relações de poder se estilhaçam em múltiplas gentes, espaços e tempos e se expressam em diferentes modos de ser e existir, configurando o ethos urbano. Assim, com base em Sandra Pesavento (2007), entendemos que a cidade pode ser interpretada por meio de sua materialidade, sociabilidade e sensibilidade. Esperamos reunir neste simpósio os estudos sobre bairros, praças, ruas, prédios, lugares e não lugares, cidades visíveis e cidades imaginárias, em diferentes tempos e espaços.

Desde 2004, o Programa de Pós-Graduação em História, da Universidade Federal do Piauí, por meio de sua linha de Pesquisa "História, Cidade, Memória e Trabalho" vem viabilizando o desenvolvimento de pesquisas históricas sobre o viver urbano no Brasil, ampliando a noção de cidade e a percepção das múltiplas relações sociais desenvolvidas nesse espaço. Esses estudos históricos que tomam a cidade como objeto de estudo também ocorrem em outros campis e, instituições de ensino superior do Piauí, como é o caso do campus da UFPI de Picos, que desde 2011 produz várias Monografias sobre as cidades piauienses. Portanto, no Piauí, bem como em outros estados brasileiros, há vários historiadores que desenvolvem pesquisas no campo de estudos "História das cidades".


ST 07 - HISTÓRIA, CULTURA E ARTE.

Coordenadores

Prof. Me. Ronyere Ferreira - UFPI

Profa. Ma. Vanessa Soares Negreiros Farias - UESPI/UFPI

Resumo

Desde as décadas finais do séc. XX as mudanças na historiografia ocidental possibilitaram a emergência de novas temáticas e perspectivas de análise. As artes, como o teatro, o cinema, a literatura e a música, até então objetos atinentes especialmente a seus respectivos críticos, passaram a compor os interesses dos historiadores, que atualmente contam com um consolidado campo de estudo. Essas manifestações artísticas, a partir do ponto em que são compreendidas como produtos e produtoras de processos sociais, testemunham sobre as realidades, as percepções e as representações do mundo, portanto, um espaço para exposição e debate de experiências históricas ligadas a elas, em um evento científico, mostra-se essencial para a compreensão da formação da sociedade brasileira e para estudantes e profissionais da área terem contato com debates historiográficos contemporâneos. Dessa forma, esse Simpósio Temático busca reunir pesquisadores que estudem a história a partir das experiências das artes e dos artistas. Os trabalhos devem versar sobre as relações entre História e Literatura ou as historicidades de discursos cinematográficos, musicais e teatrais, favorecendo o conhecimento de diferentes linguagens. Seja na dimensão estética ou social das artes, espera-se estudos que debatam sobre as experiências artísticas e seus códigos, signos, convenções, sujeitos, cenários, processos culturais, práticas, representações e experiências em diferentes espaços e temporalidades.


ST 08 - IMPÉRIOS IBÉRICOS COLONIAIS: SOCIEDADE, PODER E CULTURA NO ULTRAMAR (XVI-XIX).

Coordenadores

Prof. Dr. Rafael Ale Rocha - UEA

Prof. Dr. Thiago Groh - UFT

Resumo

Esse simpósio, também, visa abordar uma variada gama de temas, envolvendo os campos da cultura, economia, sociedade e política, como, por exemplo, as instituições dos poderes locais e metropolitanos, a atuação das autoridades ou das elites locais e metropolitanas, a vivência dos demais colonos, a relação entre políticas indígenas e políticas indigenistas, os processos de mestiçagens, o usufruto da mão de obra escrava e nativa, as redes de comércio, a produção de bens diversos, as artes e a literatura, entre outros. Os estudos sobre os Impérios Ibéricos vêm ganhando nova dimensão nos últimos anos, sobretudo favorecidos pela política de intercâmbio promovida pelo governo federal que permitiu a vinda de professores estrangeiros para o Brasil e o envio de brasileiros para formação ou complementação da formação no exterior dando outra dinâmica ao debate historiográfico sobre as instituições e pessoas que circularam por esse espaço. Esse simpósio propõe reunir pesquisadores de diferentes temáticas sobre os Impérios Ibéricos para debater suas pesquisas.


ST 09 - HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL: MEMÓRIAS, SABERES E FAZERES.

Coordenador

Prof. Me. Adson Rodrigo Silva Pinheiro - SECULTFOR

Resumo

O Simpósio propõe reunir pesquisadores, professores e gestores de diferentes áreas do conhecimento que trabalham com a memória social e o patrimônio cultural ligado a contextos educativos formais, informais e não formais ou atuantes na gestão pública, a fim de promover debates que considerem a percepção material e imaterial da dimensão temporal e espacial do evento histórico, dos objetos sociais e da difusão de conhecimentos relacionados aos bens culturais nacionais, estaduais e locais. Ainda a proposta é aberta a comunicações que façam a reflexão teórica, metodológica e crítica de experiências educativas e seus saberes, a ações educativas desenvolvidas em instituições culturais de variadas naturezas como museus ou centros de memória, a fim de refletir sobre a relação entre memória, identidade e patrimônio histórico e cultural. A relevância desse simpósio se justifica diante do cenário de disputas e de conflitos que relacionam as memórias e os significados de identidades, pautados em torno das reivindicações por reconhecimento, dos usos do patrimônio cultural para legitimar determinadas seleções do passado e a interpretação que restringe a importância do patrimônio cultural apenas ao campo restrito da preservação, sem considerar a valorização, a difusão e a comunicação como processos importantes para o campo. Dessa forma, os trabalhos com o estudo da memória no contexto das ciências humanas e de áreas que se aproximam transversalmente ao campo do patrimônio cultural encontrar nesse simpósio um lugar oportuno para refletir sobre as principais abordagens teóricas e metodológicas acerca da memória e de sua relação com as práticas de preservação do patrimônio cultural.


ST 10 - HISTÓRIA DA SAÚDE E DAS DOENÇAS: TEMAS, FONTES E HISTORIOGRAFIA.

Coordenadores

Prof. Dr. Agostinho Júnior Holanda Coe - UFPI

Prof. Me. Felipe Cunha Lopes - UESPI

Resumo

O presente Simpósio Temático tem como proposta a discussão sobre os principais processos relacionados à história e historiografia dedicada à análise da saúde no Brasil com ênfase especial no período que vai da proclamação da República ao golpe militar de 1964. Entre os objetos a serem analisados destacamos a relação entre caridade e filantropia, os cuidados com a saúde da mulher e da criança, as epidemias do século XX, a história da eugenia, a Psiquiatria e suas instituições e a história das políticas de saúde no Brasil.